Ônibus usados pela Itapemirim/Kaissara já estão no pátio da JSL em Mogi

Por , em 11 de abril de 2017.

Os 34 veículos foram colocados no pátio de Mogi das Cruzes e levados da região do terminal rodoviário Tietê. Atual administração diz que rompeu contrato com JSL.

Parte dos ônibus que foram levados da Itapemirim/Kaissara já no pátio da JSL em Mogi.

Parte dos ônibus que foram levados da Itapemirim/Kaissara já no pátio da JSL em Mogi.

Já estão no terminal intermodal do Grupo JSL, em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo, os 34 ônibus que foram alvos de mandados de reintegração de posse, cumpridos nessa sexta-feira, 7 de abril de 2017, com apoio da Polícia Militar.

O litígio entre o Grupo JSL e a Itapemirim/Kaissara é antigo. Desde 2016, o grupo de Mogi das Cruzes tenta recuperar os ônibus que foram alugados para a Itapemirim/Kaissara.

A juíza Adriana Bertier Benedito, da 36ª Vara Cível de São Paulo, atendeu ao pedido de reintegração em favor do Grupo JSL por entender que a Itapemirim/Kaissara deveria ter pagado os aluguéis atrasados após negociações.

Os ônibus foram retirados do chamado “Mangueirão do Tietê”, um estacionamento usado pelas empresas que servem à rodoviária, e também quando chegavam das linhas ou iam partir para as viagens.

Ao Diário do Transporte, o departamento jurídico da Itapemirim considera a ação arbitrária e diz que tudo ocorreu por causa de um “contrato ruim” feito pela gestão anterior da empresa, até então sob a responsabilidade de forma oficial da família do fundador, Camilo Cola. Os novos controladores da empresa afirmam ainda que cancelaram o contrato com a JSL.

“A contenda judicial com a JSL é antiga, mas originária de um contrato muito ruim feito pela gestão anterior. Não se trata de busca e apreensão e sim, reintegração de posse. Tal situação já foi objeto de recurso e o TJSP – Tribunal de Justiça de São Paulo está analisando. O fato de serem expedidos mandados para reintegração e veículos operacionais é um ato arbitrário, uma vez que o destino de tais carros é de competência do Juízo da Recuperação Judicial”.

A matéria sobre a decisão judicial você confere neste link.

A ação ocorreu um dia depois da entrevista coletiva na qual os empresários Sidnei Piva de Jesus, Milton Rodrigues Junior e Camila de Souza Valdívia, nomeada presidente da companhia, se apresentaram como novos donos do grupo da Itapemirim, que envolve as empresas Viação Itapemirim, Transportadora Itapemirim, ITA – Itapemirim Transportes, Imobiliária Bianca, Cola Comercial e Distribuidora e Flecha Turismo Comércio e Indústria.

Essas empresas e a Kaissara estão em recuperação judicial. A Kaissara foi incluída na recuperação pela Justiça depois de surgirem indícios de que a empresa era da família Cola, mas estava registrada em nome de funcionários que, no entendimento da Justiça, poderiam ser “laranjas”.

As dívidas do grupo são de R$ 336,49 milhões e mais quase R$ 1 bilhão em impostos.

Esta publicação foi catalogada na categoria de