Aumento de tarifas de ônibus: cadê o discurso de que o passageiro é o cliente?

Por , em 4 de janeiro de 2017.

Mais uma vez, aquele que sustenta o sistema de transportes foi pego de surpresa. Onde houve mais afobação, reajustes foram cancelados ou adiados.

Passageiros de ônibus urbano.

Passageiros de ônibus urbano.

Em palestras, entrevistas, ações de marketing, treinamentos, as empresas de ônibus dizem que o usuário do sistema de transportes não é um simples passageiro, aquele que passa, mas é um cliente, aquele que tem relacionamento com a companhia de ônibus e está em sua rotina todo dia. O discurso é correto e bonito, mas nem sempre é colocado em prática. A verdade é que os recentes aumentos das tarifas de ônibus mostram essa realidade.

Ninguém é contra o aumento em si, afinal os custos das empresas de ônibus são grandes e precisam ter recomposição. Se não houver aumento de tarifa, cai na conta dos subsídios, há atrasos nos repasses às companhias, a qualidade cai, e as empresas de ônibus precisam ter sim uma segurança jurídica e financeira para operar. Isso ninguém discute! A questão é que, em muitos casos, como na região metropolitana de São Paulo, o passageiro foi desrespeitado com a falta de comunicação adequada em relação aos reajustes. Não é de hoje!

Muita gente foi pega de surpresa por uma atitude quase incompreensível. Custa, por exemplo, colocar um papelzinho ao lado do cobrador ou da catraca (já que muitos ônibus não têm mais cobrador) avisando sobre o aumento? Custa aplicar o reajuste dias depois da decisão, e não da noite para o dia? Qual é o medo das empresas e das prefeituras? Que o passageiro consiga se precaver e compre uns créditos antes do aumento para economizar em sua renda? Manifestação popular?

Mas, em alguns casos, o tiro saiu pela culatra. As cidades que foram menos transparentes do ponto de vista de comunicação para com seus passageiros foram as que tiveram que rever seus reajustes, seja por decisão judicial, seja por ação dos novos prefeitos, ou mesmo pelos dois. Exemplo disso é Guarulhos, na grande São Paulo. Em praticamente menos de 24 horas depois da publicação do decreto no qual o antigo prefeito Sebastião Almeida autorizou o aumento de 18,4% nas tarifas de R$ 3,80 para R$ 4,50 (R$ 4,20 para quem usa o Cartão Cidadão), a passagem já estava mais cara.

O “cliente” do serviço público foi pego de surpresa e, claro, não gostou nada. Ocorre que, no dia seguinte, já havia uma decisão judicial que contestava a falta de comunicação ao cliente, e suspendeu o aumento por cinco dias corridos. No outro dia, mais uma decisão, só que, dessa vez, suspendendo até o julgamento de uma ação popular. Já no dia 1º de janeiro, o novo prefeito Guti simplesmente cancelou o reajuste.

Outro aumento de tarifa de ônibus promovido no afogadilho do apagar das luzes de uma gestão que não ia ser continuada foi em Mauá. Na cidade do ABC Paulista, a Justiça também teve de intervir, e postergou o reajuste. O prefeito Donisete Braga, o mesmo que articulou o monopólio da Suzantur na cidade, dias antes de deixar o cargo sem ter conseguido se reeleger, autorizou o aumento de R$ 3,80 para R$ 4,20 nas modalidades comuns, e de R$ 4,50 para R$ 5 no vale transporte. Ação popular foi aceita pela Justiça, a qual, também no caso de Mauá, entendeu que o passageiro não foi respeitado por não haver comunicação adequada e tempo para se programar.

Na cidade de São Paulo e região metropolitana, principalmente no sistema da CPTM e do Metrô, há tempo de o passageiro se programar. As novas tarifas entram em vigor no dia 8 de janeiro, mas o cidadão (o cliente do sistema) foi encarado como uma espécie de palhaço. Porque se propagandeou tanto congelamento da tarifa do metrô e da CPTM para acompanhar o congelamento da passagem dos ônibus municipais prometido pelo prefeito João Doria, mas, na verdade, o que houve foi o resfriamento, e não o congelamento.

Resfriamento para esfriar um pouquinho as possíveis críticas de um descompasso da tarifa básica dos ônibus municipais com a tarifa básica do sistema sobre trilhos do Governo do Estado. Ficaria feio para o padrinho político de Doria, Geraldo Alckmin, não fazer o mesmo com os trilhos o que o pupilo fez com os ônibus. Mas integrações usadas por quase metade da demanda subiram bem acima dos 6,98% da inflação. Para usar ônibus municipais em São Paulo e, em seguida, trens e metrô ou vice-versa, a tarifa pula dos atuais R$ 5,92 para R$ 6,80 – aumento de 14,8%.

As modalidades temporais do Bilhete Único também aumentam. Em alguns casos, o reajuste é de 30% a 50%. Os gestores alegam: “É porque não havia reajuste há três anos do bilhete único temporal”. Ok, mas em três anos a inflação não foi de 30% ou 50%.

Vamos ser sinceros. Teve aumento da tarifa de metrô e da CPTM. Só que haverá um “subsídio cruzado”. O aumento acima da inflação nas integrações e nas modalidades temporais vai, de certa maneira, subsidiar, mesmo que em parte, o congelamento da tarifa básica. Simples assim, podendo haver o risco de descompasso das contas dos transportes, esse subsídio não será suficiente, e foi criado um inédito e perigoso sistema tarifário.

O pior é ver os mesmos operadores e gerenciadores de transportes tentando se justificar da falta de comunicação e de transparência. Aí chovem notas, releases, esclarecimentos. Que tal ser transparente e avisar antes o cliente? É menos desgastante para todos os lados. Desse jeito, o passageiro não será cliente, ele passará mesmo.

Com tarifas altas, o que não é culpa das empresas, e sim de uma política tarifária errada no Brasil, e com a falta de comunicação para com passageiro (aí, culpa das empresas e do poder público), o cidadão será um passageiro. Vai passar do sistema de transporte coletivo, que não tem lá suas qualidades ideais, para o transporte individual. Todos gostam de mobilidade e sustentabilidade, mas, quando começa a doer no bolso e quando o cidadão não se sente respeitado, legitimamente vai procurar o que é melhor para ele. É seu direito.

Confira os valores da capital e Grande São Paulo:

– Tarifa Comum (CPTM, Metrô ou Ônibus SPTrans): R$ 3,80 – sem aumento
– Tarifa Integrada Ônibus SPTrans + Metrô/CPTM: de R$ 5,92 para R$ 6,80 –aumento de 14,8%
– Bilhete Único Diário Simples – só ônibus ou só Metrô/CPTM (indicado para mais de 4 viagens em 24h): de R$ 10 para R$ 15 – aumento de 50%
– Bilhete Único Diário Integrado – ônibus + Metrô/CPTM (indicado para mais de 4 viagens em 24h): de R$ 16 para R$ 20
– Bilhete Único Semanal Simples: será extinto
– Bilhete Único Semanal Integrado: será extinto
– Bilhete Único Mensal Simples – só ônibus ou só Metrô/CPTM (sugerido para mais de 50 viagens): de R$ 140 para R$ 190 – aumento de 35%
– Bilhete Único Mensal Integrado – ônibus + Metrô/CPTM (sugerido para mais de 44 viagens): de R$ 260 para R$ 300 – aumento de 30%

O desconto do bilhete Fidelidade, por sua vez, será de até 10,5%, de acordo com o número de viagens. O mesmo percentual será aplicado aos bilhetes Madrugador (Metrô, das 4h40 às 6h15; e CPTM, das 4h40 às 5h35); e Da Hora (das 9h às 10h, nas linhas 8, 9 e 5), ambos fixados em R$ 3,40. As novas tarifas passarão a vigorar a partir de 8 de janeiro de 2017.

– Guarulhos: de R$ 3,80 para R$ 4,50, ou R$ 4,20 apenas para quem embarca com o Cartão Cidadão – a partir de 29 de dezembro de 2016 (viações tiveram de suspender por cinco dias por determinação da Justiça, porque não comunicaram os passageiros de maneira eficiente e com antecedência suficiente para o cidadão se programar. Em 30 de dezembro de 2016, a Justiça teve outra decisão e suspendeu o aumento até decisão da Ação Popular contra o aumento. No dia 01 de janeiro de 2017, o novo prefeito Gustavo Henric Costa, Guti, cancelou o decreto do prefeito anterior, Sebastião Almeida, que concedeu às empresas reajuste de 18,4% em 11 meses).

– Osasco: de R$ 3,80 para R$ 4,20 – a partir de 30/12/2016
– Francisco Morato: de R$ 3,70 para R$ 4,10 – partir de 30/12/2016
– Carapicuíba: de R$ 3,80 para R$ 4,20 – partir de 30/12/2016
– Barueri: de R$ 3,80 para R$ 4,20 – a partir de 31/12/2016
– São Caetano do Sul: de R$ 3,70 para R$ 4,10 – a partir de 31/12/2016
– Mauá: de R$ 3,80 para R$ 4,20, e o vale-transporte de R$ 4,50 para R$ 5,00 – a partir de 31/12/2016 (por determinação judicial, o aumento foi adiado para 07/01/2017 – medida foi tomada pelo prefeito Donisete Braga, derrotado nas eleições e que não conseguiu continuar no cargo. Não houve comunicação adequada ao passageiro)
– Santo André: de R$ 3,80 para R$ 4,20, e o vale-transporte de R$ 4,50 para R$ 5,00 – a partir de 03/01/2017

Esta publicação foi catalogada na categoria de