Caio diz que nova geração do Millennium traz mudanças funcionais e não somente estéticas

Por , em 1 de março de 2016.

Modelo também tem diferenças em relação a outro veículo da marca para chassis com propulsão traseira, o Mondego.

Carroceria foi projetada para facilitar acesso de mecânicos e eletricistas para manutenção do veículo, diz Caio.

Carroceria foi projetada para facilitar acesso de mecânicos e eletricistas para manutenção do veículo, diz Caio.

As imagens já circularam pelas redes sociais e entre os admiradores e investidores de transportes. Empresas da capital paulista já encomendaram o veículo, como a Viação Campo Belo, que atende parte da zona Sul de São Paulo.

Logo, a nova geração do Millennium começou a ganhar espaço nas discussões sobre produtos voltados ao transporte coletivo.

Nesta segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016, a Caio informou detalhes sobre o modelo, que é destinado para chassis com motor traseiro.

Em nota, a Caio garante que não se trata apenas de uma reestilização do Millennium anterior e que as mudanças foram funcionais.

“As linhas futuristas do modelo são reforçadas pela curvatura dianteira maior e a frente aerodinâmica, com extensa área envidraçada. A grade frontal, com nova dobradiça, foi reformulada para melhorar o acesso aos componentes internos. Internamente, o Millennium possui novo conjunto de caixas de porta com cortina de ar (versão com ar condicionado) e nova cúpula dianteira; todos na cor cinza escuro, que promove conforto visual e não evidencia eventuais manchas. Conta, também, com central elétrica mais espaçosa, para acomodação dos componentes, incorporando porta-objetos para o motorista.”

O novo Caio Millennium pode ter até 13,25 metros de comprimento na versão básica, com capacidade para transportar 33 passageiros sentados, incluindo portador necessidades especiais, e lotação total de 91 pessoas, dependendo da configuração interna.

De acordo com a Caio, há possibilidade de o novo Millennium ser produzido na versão de 15 metros, com três eixos, e também articulado como é o caso de algumas unidades já vendidas pela companhia.

Em nota, a Caio informa que o Millennium, cuja primeira versão foi fabricada em 1997, é destinado para o mercado interno e a nova geração traz diferenças em relação ao outro ônibus urbano da marca para chassis de motor traseiro, o Mondego:

“Assim como o Millennium, o Mondego, também urbano para chassis de motor traseiro, acabou de ser remodelado (já está em sua segunda geração). Os modelos se diferem principalmente pelo design frontal (parabrisa), balanço dianteiro e aplicação. O Millennium possui balanço dianteiro maior, trazendo ao modelo os conceitos de velocidade e conforto, sendo oferecido nas versões piso baixo e normal. Já o Mondego, possui balanço dianteiro menor, conferindo ao modelo agilidade em ruas com ângulos de entrada maiores. É oferecido na versão piso baixo.

O Millennium atende principalmente necessidades de aplicação e características técnicas exigidas pelo mercado interno e o Mondego, especificamente para o mercado externo. Os dois modelos possuem alguns atributos em comum, como vidros do itinerário e do vigia traseiro, central elétrica inferior, cúpula traseira interna, janelas e espelho retrovisor externo.”

Ainda segundo a Caio, o novo modelo do Millennium possui peças que são usadas em outros veículos da marca, o que permite identidade visual e padronização de itens, o que pode reduzir o custo de manutenção e facilitar o gerenciamento de estoques.

Itens e peças usadas em outros modelos da marca devem tornar manutenção mais barata

Itens e peças usadas em outros modelos da marca devem tornar manutenção mais barata.

Esta publicação foi catalogada na categoria de