Setor de carrocerias de ônibus deve ter recuo em 2012

Por , em 6 de dezembro de 2011.

Previsão é do Simefre – sindicato que representa a indústria de materiais ferroviários e rodoviários

ADAMO BAZANI – CBN

O ano de 2011 deve ser recordista em produção de carrocerias de ônibus, que deve ultrapassar a 35 mil unidades. Mas o Simefre prevê recuo para 2012, por conta das antecipações da compra das frotas por empresários que querem se livrar dos preços mais altos dos ônibus que vão seguir as novas normas de redução de emissão de poluentes. O recuo previsto entre 7% e 10% nas vendas pode ser maior se o BNDES não aprovar o Finame Verde, linha de crédito para ônibus que atendem a estas novas normas. Foto: Adamo Bazani.

O ano de 2011 deve ser recordista em produção de carrocerias de ônibus, que deve ultrapassar a 35 mil unidades. Mas o Simefre prevê recuo para 2012, por conta das antecipações da compra das frotas por empresários que querem se livrar dos preços mais altos dos ônibus que vão seguir as novas normas de redução de emissão de poluentes. O recuo previsto entre 7% e 10% nas vendas pode ser maior se o BNDES não aprovar o Finame Verde, linha de crédito para ônibus que atendem a estas novas normas. Foto: Adamo Bazani.

O setor de carrocerias de ônibus, que vive uma das melhores épocas, alavancado pela proximidade das eleições municipais, quando normalmente as frotas são renovadas, e pela antecipação de compras pelos empresários que querem evitar os preços mais altos dos ônibus com tecnologia que reduz a poluição, pode ter um recuo nas vendas e produção no ano que vem.
E estimativa foi divulgada nesta terça-feira, dia 06 de novembro de 2011, pelo Simefre – Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários.
A queda, de acordo com projeções da entidade, deve ficar entre 7% e 10% em 2012 em comparação com este ano.
No mercado interno, as vendas devem cair entre 6% e 8% e as exportações entre 8% e 10%, caso o dólar oscile entre R$ 1,70 e R$ 1,75.
De acordo com o Simefre, em 2011 devem ser produzidas entre 35 mil e 35,6 mil carrocerias, número 8,3% maior que no ano passado. O mercado interno é a grande força da indústria hoje, que já exportou mais. Destas 35 mil carrocerias, 31 mil serão vendidas no Brasil.
A alta do real frente ao dólar e as instabilidades financeiras internacionais explicam as exportações tímidas.
Se o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social aprovar o Finame Verde, linha de crédito para ônibus que seguem os padrões mais rígidos de redução de emissão de poluentes do Proconve P7, normas baseadas na Euro V, o recuo deve ficar neste patamar. Se o Finame Verde não for aprovado, a queda na venda de carrocerias de ônibus pode ser menor.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.