A Independência do Brasil e o ônibus no País

Por , em 7 de setembro de 2010.

Revista de 1962 coloca o primeiro auto ônibus nacional e o primeiro trólebus brasileiro numa mostra de evolução dos transportes coletivos


POR ADAMO BAZANI/CBN

O primeiro ônibus nacional (o Mamãe Me Leva, de 1924) e o Primeiro Trólebus Nacional (de 1958), lado a lado, em imagem histórica feita pela Revista Quatro Rodas de 1962. A chegada da família Real Portuguesa, em 1808, fugindo das ameaças das invasões francesas, e a Decretaçãoi da Independência do Brasil, criaram no País uma máquina estatal e de funcionalismo que provocaram modificaçõies nas relações econômicas e nos deslocamentos nas embrionárias áreas urbanas. Dom Pedro I em 1837 assina decreto que permite a criação da primeira empresa de ônibus do Brasil. Foto: Revista Quatro Rodas de 1962/Acervo Rafale Asquini/Pesquisa; Adamo Bazani

O primeiro ônibus nacional (o Mamãe Me Leva, de 1924) e o Primeiro Trólebus Nacional (de 1958), lado a lado, em imagem histórica feita pela Revista Quatro Rodas de 1962. A chegada da família Real Portuguesa, em 1808, fugindo das ameaças das invasões francesas, e a Decretaçãoi da Independência do Brasil, criaram no País uma máquina estatal e de funcionalismo que provocaram modificaçõies nas relações econômicas e nos deslocamentos nas embrionárias áreas urbanas. Dom Pedro I em 1837 assina decreto que permite a criação da primeira empresa de ônibus do Brasil. Foto: Revista Quatro Rodas de 1962/Acervo Rafale Asquini/Pesquisa; Adamo Bazani

Apresar das grandes dificuldades e problemas que envolvem o setor de transportes no Brasil, uma coisa é inegável: a produção e os serviços de ônibus no Brasil evoluíram muito.
Os primeiros ônibus brasileiros eram puxados por animais. Isso mesmo. Não eram os ônibus como são conhecidos agora, mas já eram veículos de transportes coletivos, chamados de OMNIBUS, termo que significa Paratodos e que resume bem o papel destes veículos que não são apenas automóveis, mas agentes sociais, de integração econômica e, com boa imagem ou não, fazem parte do cotidiano de milhões e milhões de pessoas há mais de um século.
E a história dos ônibus no Brasil tem tudo a ver com a Independência do País, proclamada por D. Pedro I, em 7 de setembro de 1822, data que será comemorada nos próximos dias.
É que com a vinda da família real portuguesa ao Brasil, que trouxe consigo 25 navios mercantes, fugindo em 1808 das ameaças de invasão francesa, milhares de pessoas que trabalhavam para os portugueses desembarcaram no Brasil.
Com a cultura e modo de vida mais urbano, a vinda dessas pessoas significou uma transformação na paisagem dos povoamentos e cidades. Novas atividades econômicas para manter o padrão de vida da realeza e atender os funcionários surgiam no Brasil e as necessidades de deslocamentos de cargas e mercadorias também.
Mesmo com o retorno de parte da família real para Portugal, uma máquina estatal e econômica que compreendia serviços, comércio e manufaturas já estava instalada.
Com a Independência, essa nova realidade urbana brasileira se torna mais forte.
Tanto os súditos de D. Pedro como os plebeus e primeiros comerciais e industriais (para os padrões da época) viviam em áreas que aumentavam de tamanho com atividades econômicas mais intensas.
Transportar era preciso, principalmente no Rio de Janeiro, onde toda essa novidade social e econômica aflorava.
E foi justamente no Rio de Janeiro que se tem o primeiro registro oficial do serviço de ônibus no Brasil. Em 1837, Jean Lecoq importou de Paris um Omnibus, que veio com esta nomenclatura. As dimensões do veículo impressionavam: uma estrutura de madeira grande, com 4 rodas de borracha com dois andares. Tudo puxado pro 4 cavalos. O serviço agradou tanto que em 14 de setembro de 1837 D. Pedro I criou um decreto real autorizando o funcionamento de Omnibus. Nasce então, a 1 empresa de ônibus do Brasil “Companhia de Ônibus”, criada por Aureliano de Sousa e Oliveira Coutinho, Paulo Barbosa da Silva, José Ribeiro da Silva, Manoel Odorico Mendes e Carlos Augusto Taunay, este último, agente e negociador da empresa.
A primeira viagem aconteceu em julho de 1838. Os primeiros serviços ligaram a região central da cidade do Rio de Janeiro a Botafogo, Engenho Novo e São Cristóvão.
Mais tarde os ônibus entraram em declínio por causa do surgimento dos transportes por trilhos: bonde e trens.
Em 1908, na ocasião dos festejos dos 100 anos da vinda da família real portuguesa, o empresário Octávio da Rocha Miranda aproveita a demanda maior de pessoas que precisavam de deslocamento no Rio de Janeiro e importa um ônibus a gasolina de mecânica Daimler e carroceria francesa. Foi o primeiro ônibus com motor no Brasil.
As cidades crescem e os bondes não dão conta do número de passageiros, dando nos anos de 1920, início aos maiores negócios com ônibus. Tanto é que em 1924, a Grassi faz a primeira carroceria brasileira produzida em linha: chamada de Mamãe Me Leva.
Os ônibus elétricos começam a ser produzidos no Brasil em 1958, também pela Grassi.
Uma reportagem da Revista Quatro Rodas, de 1962, consegue um feito, não mais possível hoje, colocando lado a lado o primeiro trólebus nacional ao lado do primeiro ônibus.
Uma imagem a ser eternizada
Adamo Bazani.