Brasil vai investir 300 milhões de dólares em renovação da frota de ônibus urbanos …. só que de El Salvador

Por , em 24 de fevereiro de 2010.

Cifra faz parte de uma série de ajudas internacionais do Brasil para as Américas. Medida no entanto causa polêmica dadas as condições da frota brasileira.

Frota insuficiente: ônibus abarrotado em São Paulo. Lotações em horários de pico são desafios até para veículos articulados.

Frota insuficiente: ônibus abarrotado em São Paulo. Lotações em horários de pico são desafios até para veículos articulados.

Nesta sexta-feira, o presidente Luís Inácio Lula da Silva vai anunciar em El Salvador, na América Central, a liberação de 300 milhões de dólares para a renovação e reforma da frota de ônibus urbanos naquele país.
A informação foi adiantada em coluna assinada pelo jornalista Carlos Brickmann, no jornal “Diário do Grande ABC”.
O objetivo é melhorar a qualidade dos transportes coletivos, principalmente da Capital San Salvador.
A ação do presidente Luís Inácio Lula da Silva causou polêmica e debate entre especialistas em transportes coletivos, administradores e empresários do setor.
Para se ter uma idéia, de acordo com o diretor da Fabus, entidade que representa as encarroçadoras de ônibus brasileiras, Roberto Ferreira, em entrevista concedida ao nosso espaço na Internet, a associação e os empresários tiveram ao longo do tempo de lutar muito para conseguir maiores e melhores linhas de financiamento para compra de ônibus novos.
Não só pelas dificuldades de financiamento, as polêmicas em torno da liberação destes recursos se dão simplesmente depois de uma olhada nos serviços de transportes por ônibus em diversas capitais e cidades brasileiras.
Alguns municípios, inclusive de grande e médio porte, são servidos por ônibus antigos e o pior, ainda se fossem antigos mas bem conservados (como o que ocorre muito na Europa), estão em estado de conservação precária.
Entre o ABC Paulista e a Capital, há ônibus articulados por exemplo, modelo Ciferal GLS Bus, ex CTC do Rio de Janeiro, com buracos no chão, com a lona da articulação “sanfona” com buracos e que chove dentro. Isso sem contar com remendos na lataria. Ônibus fiscalizados pela EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes e que servem a uma região economicamente desenvolvida.

Ônibus de transporte de trabalhadores rurais envolvido em acidente na região de Campinas, veículo, que já pertenceu a cidade de São Paulo, perdeu os freios.

Ônibus de transporte de trabalhadores rurais envolvido em acidente na região de Campinas, veículo, que já pertenceu a cidade de São Paulo, perdeu os freios.

Em municípios mais distantes dos centros urbanos, há veículos sem qualquer segurança, principalmente no transporte de trabalhadores rurais e de estudantes em áreas de difícil acesso. Falta de freios, latarias podres, sinalização, como setas de direção quebradas, e mais de 20 anos nas costas, fazem com que estes ônibus se tornem um perigo para usuários e pessoas que estão ao redor. É bem verdade que o Governo Federal tem o Programa Caminho da Escola, que além de estimular o mercado de ônibus no Brasil, sendo responsável pelo balanço positivo de muitas encarroçadoras e montadoras, tem levado veículos melhores aos estudantes. Mas prefeitos reclamam da burocracia para se obter um ônibus novo e da quantidade insuficiente para atender todas as necessidades de municípios ainda não atendidos pelo Programa. Isso, claro, sem citar o fato que até os municípios contemplados, não têm tudo suprido. As vezes precisam de vários ônibus e só conseguem um adaptado a circular em áreas com terreno irregular e preparado para levar crianças e adolescentes.

À beira da Copa do Mundo de 2014, o Brasil também precisa investir em transportes. Ideas, modelos de operação não faltam. Há o PAC da Mobilidade que prevê os investimentos para essa área, mas até agora, nenhum centavo e nenhum tijolo foram movidos.
Segundo os profissionais do setor que foram consultados e que preferiram não se identificar para não entrar na polêmica, quando a cidade possui uma frota relativamente nova, como os ônibus municipais de São Paulo, falta estrutura para estes ônibus rodarem.
“É um absurdo em certos pontos da cidade, o ônibus ter de divir espaço com outros veículos, sendo corredores de ônibus ajudariam e muito a dar velocidade ao transporte público. Precisamos de mais corredores e um dinheiro desse ajudaria muito. Eu sofro em controlar as partidas dos ônibus, pos eles ficam presos no trânsito. Por causa disso, às vezes ocorre der o ônibus demorar quase uma hora para chegar ao ponto. Quando chega, vem um atrás do outro, da mesma linha, porque ficaram represados nos congestionamentos” – desabafou o gerente de tráfego de uma empresa que serve o ABC e a Capital Paulista.
Se não bastasse os recursos anunciados para El Salvador, o presidente Lula também anunciou liberação de verbas de US$ 300 milhões para a modernização do porto de Havana em Cuba. Os portos brasileiros também não andam lá essas coisas.
Carlos Brickmann, em sua coluna, finaliza o texto dizendo:
“Quando o leitor tomar aquele ônibus superlotado, velho e sujo, pode se consolar: em El Salvador os ônibus vão melhorar”.

Esta publicação foi catalogada na categoria de