Mercedes-Benz alcança marco histórico em 2009

Por , em 26 de dezembro de 2009.

Além de fabricar motores para caminhões e ônibus produzidos em sua planta de São Bernardo do Campo, a Mercedes-Benz do Brasil também fornece componentes e motores completos para outras unidades do Grupo Daimler, como os veículos comerciais leves Sprinter na Argentina, os caminhões pesados Freightliner nos Estados Unidos e os ônibus Citaro na Alemanha.

  • Empresa é pioneira na introdução do motor diesel no Brasil e na utilização de motores com gerenciamento eletrônico para veículos comerciais.
  • Linha de montagem de motores utiliza avançadas técnicas de produção e qualidade.

A Mercedes-Benz do Brasil alcançou o marco histórico de 2,5 milhões de motores produzidos em sua planta de São Bernardo do Campo, São Paulo. Além de equipar os seus caminhões e ônibus, a Empresa também fornece componentes e motores completos para outras unidades do Grupo Daimler, como os veículos comerciais leves Sprinter na Argentina, os caminhões pesados Freightliner nos Estados Unidos e os ônibus Citaro na Alemanha.

“A Mercedes-Benz é pioneira na introdução do motor diesel para caminhões e ônibus no Brasil, na década de 1950 e na utilização de gerenciamento eletrônico, nos anos 1990″, afirma Ronald Linsmayer, Chief Operating Office – COO, responsável pela área de Caminhões da Mercedes-Benz do Brasil. “Ao longo dos 53 anos de atuação no País, acumulamos vasta experiência no atendimento às necessidades dos transportadores de cargas e de passageiros. Nossos motores são reconhecidos pelos clientes por sua eficiência, qualidade, desempenho, reduzido consumo, durabilidade e, especialmente, pela confiabilidade”.

Evolução tecnológica
Os primeiros motores fabricados pela Mercedes-Benz do Brasil (OM 321, 326 e 324) utilizavam injeção indireta, realizada numa pré-câmara de combustão. Em 1969, com o lançamento do OM 352 de aspiração natural e potência de 130 cv, a Empresa realizou o primeiro grande avanço tecnológico dos motores diesel no País, introduzindo o sistema de injeção direta.

Em 1977, a Empresa adquiriu competência para desenvolver a aplicação de combustíveis alternativos. Para motores do ciclo Otto, criou modelos de caminhões movidos a álcool e para os do ciclo diesel, lançou caminhões a álcool aditivado e a óleos vegetais esterificados.

Como resultado dessa competência, a Mercedes-Benz do Brasil desenvolveu o motor a gás natural M 352 G, apresentado pela primeira vez em 1985. Esse motor evoluiu tanto que conquistou para a filial brasileira a posição de centro de competência para motores a gás.

Famílias 300 e 400
O primeiro motor OM 366 de 6 cilindros (aspirado, de 136 cv e turboalimentado, de 185 cv) foi lançado em 1987. No ano seguinte, foi a vez do modelo de 4 cilindros, o OM 364 (aspirado, de 90 cv e turbo, de 122 cv). A versão com turbocooler do OM 366 LA, de 210 cv, veio em 1989.

Em 1990, foram lançados os motores OM 449 A turboalimentado de 5 cilindros, com 252 cv e turbocooler, com 300 cv, além do OM 447 LA turbocooler de 6 cilindros, com 408 cv e 354 cv.

Motores eletrônicos
Em setembro de 1998, foi lançado o primeiro motor com gerenciamento eletrônico fabricado no Brasil, o OM 457 LA, que equipou o caminhão extrapesado LS 1938 e a plataforma para ônibus rodoviário O-400 RSD. No mês seguinte, foi a vez do primeiro produto da família 900, o OM 904 LA turbocooler de 4 cilindros, equipando o chassi de ônibus urbano OF-1417.

Em 2001, um importante lançamento foi o OM 460 LA de 6 cilindros e 12,8 litros, com 450 cv de potência. Este motor foi desenvolvido para atender um contrato de exportação para a Freightliner, nos Estados Unidos, unidade da Daimler Trucks.

Processo produtivo
O processo produtivo de motores passou por várias modificações e evoluções ao longo do tempo. Na medida em que foram sendo introduzidas novas tecnologias para aumentar o controle de emissões, as mudanças na manufatura foram se intensificando. No começo, uma mesma linha montava todos os modelos de motor. Depois foram separadas as do motor leve e do pesado.

Cada uma das quatro famílias de motores Mercedes-Benz tem sua própria linha de produção na planta de São Bernardo do Campo: BR 300 de motores leves mecânicos, BR 600 de leves eletrônicos, BR 900 de médios eletrônicos e BR 450 de pesados eletrônicos.

Atualmente, 100% dos motores produzidos são testados em bancos de prova para verificação de desempenho quanto a torque, potência, consumo específico, emissões e diagnose eletrônica, entre outros indicadores.

Na área de Usinagem são produzidas, em média, 150.000 peças por mês, como bloco de motor, eixo-comando, biela, bomba d’água e carcaça de distribuição, além de diversos outros itens.

Entre as avançadas técnicas da produção adotadas pela Empresa na montagem de motores destacam-se o sistema just-in-time de suprimento de peças e a automação de processos, o que inclui até a utilização de robôs. Para assegurar a qualidade dos motores são utilizadas diversas medidas, como a verificação de itens críticos do processo e a identificação destes itens em painéis informativos que visam o treinamento contínuo dos colaboradores.

Entre as certificações conquistadas pela montagem de motores da planta de São Bernardo do Campo, destacam-se as das normas de qualidade ISO 9001:2000 e ISO/TS 16949:2002, a de segurança e saúde ocupacional OHSAS 18001:1999 e a de meio ambiente ISO 14001:2005.

Outras aplicações
Além da aplicação veicular, a Mercedes-Benz do Brasil sempre forneceu motores diesel para uso marítimo, industrial e para geração de energia elétrica. Os motores da marca também são encontrados em colheitadeiras de cana-de-açúcar, máquinas rodoviárias, apoio à pavimentação de estradas, irrigação, motobomba de concreto e outras aplicações.

Evolução histórica dos motores Mercedes-Benz
1955 – Sofunge funde o primeiro bloco para motor da Mercedes-Benz do Brasil
1956 – OM 321 de injeção indireta, 6 cilindros e potência de 100 cv
1958 – OM 326 de 6 cilindros e potência de 110 e 150 cv
1961 – OM 324 de 4 cilindros e 70 cv
1964 – Nova versão do OM 326, de 180 cv de potência
1969 – OM 352 de injeção direta (grande avanço tecnológico) 6 cilindros e 130 cv
1971 – OM 352 A turboalimentado de 156 cv
1972 – OM 355/6 de 6 cilindros e 200 cv e OM 314 de 4 cilindros e 85 cv
1973 – OM 355/5 de 5 cilindros e 192 cv
1974 – Novas versões do OM 355/5, de 170 e de 240 cv
1976 – OM 355/6 A turboalimentado de 285 cv
1977 – Produção do motor diesel número 500.000
1977 – Motores com combustíveis alternativos: álcool, álcool aditivado e óleos vegetais esterificados
1978 – OM 355 A turboalimentado de 210 cv
1984 – OM 355/5 A de 238 cv e OM 355/6 LA turbocooler e 326 cv
1984 – Produção do motor diesel número 1.000.000
1985 – Motor a gás natural M 352 G
1987 – OM 366 de 6 cilindros e 136 cv, versão M 366 G a gás natural e OM 366 A turboalimentado de 184 cv
1988 – OM 364 de 4 cilindros e 90 cv e OM 364 A turboalimentado de 122 cv
1989 – OM 366 LA turbocooler de 210 cv
1990 – OM 449 A de 5 cilindros turboalimentado de 252 cv e turbocooler de 300cv; e OM 447 LA turbocooler de 6 cilindros e 354 cv e de 408 cv
1995 – Venda da Sofunge para a Fundição Tupy; exportação do primeiro motor a gás M 447h G
1998 – OM 457 LA turbocooler eletrônico de 360 cv, o primeiro motor com gerenciamento eletrônico
1999 – OM 904 LA turbocooler eletrônico de 4 cilindros e 170 cv
2000 – OM 906 LA turbocooler eletrônico de 230 cv e de 280 cv
2001 – Produção do motor diesel número 2.000.000
2001 – OM 926 LA turbocooler eletrônico de 7,2 litros e 326 cv;OM 460 LA de 450 cv para a Freightliner; OM 924 LA de 4,8 litros e 220 cv; M 366 LAG com injeção eletrônica a gás natural
2006 – Motores Mercedes-Benz aptos para uso do biodiesel B2
2008 – Motores Mercedes-Benz aptos para uso do biodiesel B5
2009 – Produção do motor diesel número 2.500.000

Fonte: www.mercedes-benz.com.br